Miúdos a Votos

mavotosAs bibliotecas escolares do Milharado (“O Papa Letras) e de Santo Estêvão das Galés (“O Ventoinhas”) já estão inscritas no projeto da revista Visão “Miúdos a Votos”. No próximo dia 17 de março, há eleições nas escolas, para que os livros cheguem ao poder! Os resultados serão divulgados a 20 de abril.

Numa iniciativa inédita, a VISÃO Júnior e a Rede de Bibliotecas Escolares (RBE) organizam a eleição dos livros preferidos das crianças e jovens portugueses. Até 19 de dezembro próximo os alunos apresentam o livro que candidatam à eleição (formulário disponível aqui).

A lista dos livros candidatos será divulgada na VISÃO Júnior online e no portal da RBE. Entre 1 de fevereiro e 15 de março decorrerá a campanha eleitoral: os partidários de cada livro defendem as suas ideias nas escolas. A VISÃO Júnior fará a cobertura da campanha eleitoral, no seu site e na revista. Até 27 de março será realizado o escrutínio, com a contagem e registo dos votos.  O processo, explica a Visão,  será semelhante ao de umas eleições políticas, promovendo simultaneamente a leitura e a cidadania: haverá recenseamento, apresentação de candidaturas, campanha eleitoral, votação e escrutínio dos votos, organizados e participados por alunos. Durante a campanha eleitoral, estes defenderão junto dos colegas os seus livros preferidos – podendo fazê-lo em comícios, cartazes, programas de rádio e televisão, sessões de esclarecimento, debates…

A VISÃO Júnior cobrirá, na revista, no site e no Facebook, o período da campanha eleitoral nas escolas, tornando-a assim uma verdadeira campanha eleitoral nacional. O projeto que visa apurar os livros favoritos dos nossos jovens tem o apoio do Plano Nacional de Leitura, da Comissão Nacional de Eleições, da Pordata e da Direção-Geral de Educação (DGE). O calendário e o regulamento desta iniciativa, em que qualquer escola com alunos entre o 1º e o 9º ano pode participar, pode ser descarregado em pdf.

Com esta iniciativa, os alunos ficarão a conhecer como se desenrola um processo eleitoral e para que serve. Ao longo do ano letivo, será disponibilizado às escolas material de apoio que lhes permita dar a esta ação o caráter de um processo eleitoral político. Esta iniciativa, que pretende dar voz às crianças e jovens portugueses, habitualmente pouco auscultados em processos de decisão que lhe dizem diretamente respeito, possibilita um processo de aprendizagem importante, que ajudará a formar cidadãos de pleno direito, sublinham os organizadores da iniciativa.

Professor Paulo Oliveira (EB1SEG)